Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Associação CASA diz que há “lamaçal obscuro” entre a Marcha do Orgulho e o Porto Pride

Cartaz da Marcha Porto 2010

 

A data de 9 de Julho de 2011 foi marcada para a realização da 6ª Marcha do Orgulho do Porto (MOP) e da festa Porto Pride.  No entanto, os eventos estão envolvidos numa polémica vinda agora a público pela associação CASA - Centro Avançado de Sexualidades e Afectos.

Num comunicado de quatro páginas, a que o dezanove teve acesso, a CASA acusa a comissão organizadora da Marcha do Porto de falta de “existência legal e que exibe uma total desorganização a nível de funcionamento”.

A CASA, que participou na Marcha do Orgulho LGBT no Porto em 2010, refere ter dado então como sugestão incluir a bares na organização da mesma, e esta ter sido liminarmente recusada com o argumento desta ser uma “cedência aos interesses capitalistas”. No entanto, como existem na referida comissão organizadora estruturas empresariais com fins lucrativos, a CASA sustenta que “não se pode ser, como é óbvio, em simultâneo, organizador da MOP e do Porto Pride”. Recorde-se que a festa Porto Pride é organizada pelo site PortugalGay.pt e pelo Bar Boys r Us, naquela que é a mais antiga comemoração do Orgulho LGBT no Porto. A festa tem vindo a realizar-se nos últimos anos no Teatro Sá da Bandeira e implica o pagamento de uma entrada.

A associação presidida por Manuel Damas diz que os membros da CASA que participaram nas reuniões da comissão organizadora em 2010 foram alvo de “diversos insultos, verbais e escritos, de tentativas de pressão e de chantagem assim como de ameaças de agressão física, inclusive por escrito”.

Mas as acusações vão mais longe e põem em causa a parte financeira da Marcha do Porto. “Foram pedidos donativos a empresas comerciais, supostamente para financiar a MOP que, depois, eram depositados numa conta bancária individual e só daí eram transferidos para a conta bancária da MOP, sem qualquer tipo de transparência ou possibilidade de controlo dos montantes recebidos. À MOP apenas eram fornecidos os comprovativos das transferências finais.”

Lucros do Porto Pride vão para “um empresário em nome individual”

A CASA aponta o dedo ao facto de a Marcha e do Porto Pride, “festa organizada e cujos lucros revertem para um empresário em nome individual” terem a mesma data e defende que “os dois eventos têm que ser separados pela asfixia que causa à visibilidade política da Marcha” e pela “promiscuidade nebulosa que gera em termos de angariação de donativos” porque como explica a CASA, “uma parte daqueles que participam no Porto Pride fazem-no como forma de ajudarem financeiramente a MOP não sabendo […] que apenas estão a contribuir para o bem-estar financeiro de um empresário em nome individual”. E não fica por aqui, a associação aponta o dedo à organização da MOP por não “tentar esclarecer publicamente esta questão”. Por último, segundo a CASA, o “facto do Porto Pride oferecer a uma qualquer entidade, um donativo menor, apenas um ano após a realização da festa levanta diversas questões nebulosas às quais a MOP é, indevidamente associada” e relembra que “o Porto Pride anunciou, durante o evento [de 2010 no Teatro Sá da Bandeira], sem que as entradas tivessem terminado, que o donativo a dar em 2011 seria menor, o que levantou diversas questões e dúvidas relativamente à forma como a questão financeira estaria a ser gerida”

A associação portuense acrescenta que tentou participar nas reuniões da comissão organizadora da edição de 2011 da MOP, mas agora recusa-se a “pactuar com o lamaçal obscuro“. 

Em 2010 a CASA e o bar Pride organizaram uma outra festa, o Love Pride, no Teatro Sá da Bandeira. A primeira edição deste evento decorreu uma semana antes do Porto Pride.

 

6 comentários

  • Imagem de perfil

    Paula Antunes 14.03.2011 12:35


    O que eu gostava de saber é o que é que isto tem a ver com a Marcha do Orgulho LGBT no Porto.

    Cabe à organização de cada evento decidir sobre a participação no mesmo. Ou seja, neste caso cabe à org. do PP decidir sobre que colectivos participam ou não.

    Quem não pode participar, seja lá por ser um grupo novo (duvido muito dessa justificação, tanto quanto sei o PP sempre foi aberto a *QUALQUER* colectivo desde que não anti-lgbt) ou por não se ter inscrito a horas (isto sim, parece-me justificação mais lógica), tem mais é que se dirigir à organização do Porto Pride e pedir justificações.


    Repito-me:

    Não percebo que se faça lavagem de roupa suja num site (em vez de usar os meios oficiais para o esclarecimento), mas sobretudo não admito enquanto co-fundadora e co-organizadora da MOP desde 2006 que ponham em causa a sua legitimidade e o trabalho de tantos quantos deram de si para fazer da MOP uma realidade.

    O resto é lama.
  • Sem imagem de perfil

    Diogo Silva 17.03.2011 01:43

    Paula...queres que te leia as tuas declarações nas reuniões na CASA em que participaste e quais as posições que defendeste relativamente à promiscuidade MOP/Porto Pride?
    Já temos as actas todas consultáveis.
    Acima de tudo, Paula, Coerência e Dignidade.
    Fica sempre bem.
  • Imagem de perfil

    Paula Antunes 17.03.2011 15:13

    Dignidade? Chamas dignidade o que estás a fazer?

    A minha postura pessoal é a mesma que sempre foi, na CASA, na MOP, onde quer que seja: A MOP acima de qualquer festa que se realize no Porto. Seja lá ela de quem for.

    As minhas declarações aqui foram pessoais, à semelhança de todos aqueles que se manifestaram e não se identificaram com associações / eventos, e foram sempre no mesmo sentido: defender a MOP. Única e exclusivamente. Coisa que tenho visto poucos fazerem ultimamente.

    Ao contrário de ti, não me manifestei aqui sobre as questões privadas da direcção da CASA, como aliás te disse que não faria quando apresentei a minha demissão da mesma. Tenho carácter e rectidão. Por isso mesmo não lavo roupa suja em público. Não me faças arrepender dessa decisão.

    Se tens mais alguma coisa a clarificar comigo, sabes como me contactar, não é certamente desta forma que nos entenderemos. Pensa nisso, se quiseres. E faz como achares melhor.
  • Sem imagem de perfil

    Diogo Silva 17.03.2011 17:56

    Paula, ter atitudes paternalistas e de afastamento de uma discussão que é estratégica e política para o campo pessoal não acho de grande honestidade e dignidade. Sabes, nunca transformarei uma discussão que se quer ideológica em ataques pessoas. Nem nunca deixarei que se leve para esse campo.
    Tenho pena que tenhas feito.

    Voltando ao que interessa.
    Acho falta de honestidade, de dignidade e de carácter politico assim como de coragem que uma pessoa quando faz parte de uma organização defenda uma coisa e quando sai defenda outra.
    E foi exactamente o que aconteceu.
    Foste uma feroz defensora quando participaste nas discussões tidas na CASA, da denúncia oficial da situação, inclusive da saída da CASA da MOP.
    Quando saiste da CASA, alegando pressões familiares, decidiste manter-te como associada e assim apoiando as decisões da CASA.
    Dizes agora que esta denuncia já não é importante e o que interessa é a construção da marcha???
    Mas esta denúncia é, precisamente em prol da construção da marcha!
    Ou já esqueceste que a CASA, em 2010, levou a maior delegação presente na Marcha precisamente porque fez um trabalho pedagógico de explicar às pessoas que ir ao Porto Pride não era estar a ajudar a MOP?
    Ou já esqueceste que tu própria defendeste e ajudaste ao desenvolvimento dessa estratégia?
    Logo tu que sempre defendeste, em consonância com a CASA, que todas as pessoas continuam a achar que a MOP e o Porto Pride são a mesma organização, com prejuízo da Marcha e ganho, óbvio, do Porto Pride?
    Tu assististe a isto tudo, presenciaste, foste testemunha...inclusive foste uma das intervenientes em termos de argumentação.
    Já te esqueceste?
    Ou isso agora deixou de ser relevante?
    Ambos sabemos que o crescimento da MOP está dependente de separar as datas e de acabar com toda esta controvérsia!
    Ou vamos continuar a ter uma marcha no Porto que se assemelha a uma marcha popular como as do Fundão?
    Tu, tal como a CASA (da qual fazes parte enquanto associada) têm a responsabilidade de defender uma estratégia para o crescimento da MOP.
    Ou não concordas comigo?
    Tenho a certeza que concordas comigo, por isso se quiseres sabes onde me encontrar... na Sede que tu também frequentas...a sede da CASA.

    Diogo Silva
  • Imagem de perfil

    Paula Antunes 17.03.2011 18:22

    Olha Diogo,

    Agradeço que não exponhas a minha vida privada aqui. As justificações que te dei foi ao vice-presidente da associação da qual fazia parte da direcção e disse-te que eram privadas. Vires expo-las aqui só envergonha a associação que representas e ninguém tem nada a ver com a minha vida pessoal e familiar. Isso não te admito e vires para aqui divulga-las diz muito de ti e nada de mim.

    Quanto ao resto, remeto-te para a minha resposta acima e para mim chega disto.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.