Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Duplo orgulho

banner opiniao_Miguel Rodeia.jpeg

O que leva Tom Daley a afirmar: - “Sinto-me muito orgulhoso em dizer que sou homossexual e campeão olímpico”

 

Depois de duas medalhas de bronze, a espera de Tom Daley terminou. Ao lado de Matty Lee, o atleta britânico subiu, em lágrimas, à posição mais alta do pódio, nesta que é a sua quarta tentativa. No final, comemorou a vitória com esta mensagem à comunidade LGBTQIA+, “Sinto-me muito orgulhoso de dizer que sou um homem homossexual e campeão olímpico. Quando eu era mais novo, pensava que nunca iria conseguir conquistar nada por causa de quem eu era. Ser campeão olímpico agora só mostra que se pode alcançar qualquer coisa”, afirmou.
No Reino Unido chamam-lhe “The Daley wait”. Trata-se de um período de espera que começou nos Jogos Olímpicos de 2008, em Pequim, e só terminou esta segunda-feira, em Tóquio. Treze anos e quatro Jogos depois, Tom Daley venceu a tão desejada medalha de ouro.
“Eu ainda não consigo acreditar no que está a acontecer”, afirmou Tom Daley.

Daley fez questão de dizer àqueles que se sentem sozinhos, que não estão. “Tu podes conquistar tudo e tens aqui grande parte da família que escolheste pronta para te apoiar”, disse.
Já em conferência de imprensa referiu ainda, "Existem mais atletas abertamente LGBTQIA+ nestes Jogos Olímpicos do que em qualquer das edições anteriores. Quando era novo, sempre me senti como aquele que estava sozinho, que era diferente, que não se encaixava e que existia algo em mim que nunca seria como a sociedade queria que fosse. Eu espero que qualquer jovem LGBT lá fora possa perceber que, independentemente, dos quão solitários se sentem agora, não estão sozinhos e que podem alcançar tudo", disse, em conferência de imprensa.

Tom Daley falou sobre seu casamento com o cineasta de Milk, Dustin Lance Black, dizendo que "não se importa" com o que as outras pessoas pensam sobre seu relacionamento.
Casaram-se em 2017 e juntos, são pais de um filho de três anos, Robert Ray.
Reflectindo sobre seu relacionamento, “Uma coisa que aprendi desde o início é a não me importar com o que as outras pessoas pensam.
”Isso tem sido útil desde que estou com meu marido. Eu tenho 27, ele tem 47.
"As pessoas têm as suas opiniões, mas não notamos a diferença de idade. Quando te apaixonas, apaixonas-te."

Tom também falou sobre a paternidade. "Sempre quis ter filhos. Mesmo quando tinha 12 anos, ficava empolgado em ser pai. Robbie tem três anos agora. Tornar-se pai ajuda-te a perceber o que realmente importa. "

Esta edição dos Jogos Olímpicos tem uma participação recorde de atletas da comunidade LGBTQIA+.
No dia 2 de Agosto, entrou em cena a primeira atleta transgénero a participar nos Jogos Olímpicos. Hubbard efectuou a transição em 2012 e representou a Nova Zelândia na competição feminina de halterofilismo.
Mais de 160 atletas participam nos Jogos depois de se assumirem publicamente como membros da comunidade arco-íris, o que significa mais do triplo das lésbicas, gays, bissexuais e transgénero que competiram no Rio de Janeiro há cinco anos. Eram 56 em 2016 e apenas 23 em 2012.
Representam 27 países e participam em 30 desportos diferentes. Os Jogos de Tóquio representam assim um momento histórico na caminhada do orgulho LGBTQIA+.

 

Miguel Rodeia

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.