Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Júlia Mendes Pereira poderá vir a ser a primeira deputada transexual eleita em Portugal

Júlia Mendes Pereira - Bloco de Esquerda - API -

Júlia Mendes Pereira pode estar a caminho do Parlamento pelo Bloco de Esquerda (BE).

O currículo é invejável: feminista, activista dos direitos das pessoas transexuais e intersexo, co-fundadora e co-directora da associação API - Ação Pela Identidade, organização não-governamental para a defesa e o estudo da diversidade de género e de características sexuais, é membro do Steering Committee da TGEU – Transgender Europe, organização europeia de defesa dos direitos das pessoas trans, foi também coordenadora do GRIT – Grupo de Reflexão e Intervenção sobre Transexualidade da associação ILGA Portugal.

Este Domingo ficaram definidas pela Mesa Nacional as listas completas dos candidatos do BE, com mais mulheres, mais jovens e mais independentes. Segundo o Jornal de Notícias, Júlia Pereira aparece lugar elegível pelo círculo de Setúbal. A lista é encabeçada por Joana Mortágua, irmã gémea de Mariana Mortágua. Nas últimas eleições, em 2011, o BE conseguiu eleger apenas um deputado por Setúbal, sendo que nas Legislativas de 2009 elegeu dois. A apresentação da lista será hoje no Largo Dr. Francisco Soveral (Largo da Ribeira Velha), em Setúbal, pelas 17h30 e para além da cabeça de lista, Catarina Martins e Fernando Rosas marcarão presença.

Júlia torna-se assim a primeira mulher transexual a candidatar-se à Assembleia da República e a poder vir a ser deputada. 

As Eleições Legislativas realizam-se a 4 de Outubro.

 

Luís Veríssimo

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo 03.08.2015 17:23

    Senhor(a) transfóbico(a),

    Sendo o BE um partido que sempre esteve na vanguarda da luta pelos direitos LGBT, o que inclui as pessoas trans (mesmo que isso não lhe agrade), faz sentido que o BE tenha nas suas listas uma pessoa conhecida pelo seu activismo em defesa das pessoas trans.

    Compreendo que achasse que o lugar da Júlia devia ir para si, mas epá... ser cisgénero não chega.
  • Comentar:

    CorretorMais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.