Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

"O assassinato de Samuel não é um acontecimento isolado"

Luís Nueckel

Esta segunda-feira vivemos na Galiza (e no resto de Espanha) uma mobilização de massas exigindo justiça pelo assassinato homofóbico do jovem Samuel Luiz ocorrido n' A Coruña na noite de sexta-feira para sábado 3 de Julho.

A Corunha, uma cidade costeira tranquila numa das regiões com uma das mais baixas taxas de criminalidade em Espanha, por sua vez um dos países mais seguros da Europa e, em geral, do mundo ocidental, foi palco de um brutal espancamento, ao longo de 15 minutos, de um rapaz de 24 anos. Uma multidão de 12 pessoas  apressaram-se a atacá-lo e acabaram por o assassinar aos  gritos de "paneleiro de merda". Este crime chocou profundamente a sociedade galega e espanhola e provocou uma onda de indignação como se viu nos numerosos protestos na Galiza e em muitas cidades espanholas. Alguns deles acabaram, de facto, por se tornar em manifestações espontâneas. É especialmente grave, além disso, que a polícia tenha intervindo na manifestação de Madrid para supostamente restaurar a ordem.

No momento da redacção desta nota, a Polícia Nacional já prendeu várias pessoas, residentes da Corunha e cidadãos espanhóis, que consideram ser os autores da agressão, esclarecendo ao mesmo tempo que não excluem a realização de mais detenções como resultado de investigações que foram feitas, essencialmente, utilizando como base as câmaras de vigilância da zona e as gravações feitas por testemunhas com os seus telemóveis. Das seis pessoas presas (duas delas menores), a juíza enviou três adultos para a prisão.

Pudemos ver como uma das amigas dos detidos os defendeu grotescamente nos meios de comunicação social, minimizando o insulto homofóbico e justificando que "todas as lutas na rua são assim, o rapaz é atacado".

A origem dos agressores ou a sua nacionalidade é obviamente irrelevante; mas é surpreendente (não muito surpreendente, na verdade) o interesse com que alguns meios de comunicação social, e muitos comentadores de redes sociais na Internet, se apressam a negar a motivação homofóbica do crime com o mesmo zelo com que apontam a origem estrangeira dos agressores.   Por outro lado, a primeira pessoa que ajudou Samuel a tentar parar a agressão foi um jovem senegalês sem papéis.

É evidente que o que se ouve enquanto se está a ser assassinado e a mensagem que se transmite com ele é de grande importância, embora entretanto as autoridades insistam que todas as vias de investigação estão abertas.   Os detidos negam a motivação homofóbica e argumentam como justificação que não conheciam a vítima, argumento que podemos ver repetido muitas vezes em talk shows e comentadores de redes sociais e talk shows na rádio e televisão.

Há muitos que já apelam a uma mobilização conjunta de grupos LGBT+, muitas vezes separados e divididos por questões mínimas, como já aconteceu na Catalunha, onde se uniram pela primeira vez em 40 anos para convocar uma grande manifestação para rejeitar o clima de crescente ódio LGBTfóbico em que vivemos.

Infelizmente, embora seja sem dúvida o mais grave, o assassinato de Samuel não é um acontecimento isolado e estamos a viver em tempos em que as manifestações de ódio estão a acontecer com uma frequência alarmante: vandalismo de bandeiras e outros elementos como bancos decorados com cores arco-íris (os últimos em Vigo, Salvaterra de Miño ou em Monterroso, cena todos os anos de um festival LGBT rural de sucesso), graffitis homofóbicos que reproduzem e amplificam a mensagem de ódio que a ala ultra-direita transmite cada vez mais sem complexos, por um lado, e agressões físicas como a que sofreu recentemente um casal de homens casados na mesma cidade da Corunha ou agressões transfóbicas como a que aconteceu, no mesmo fim-de-semana em que Samuel morreu, em Santiago de Compostela, e em que nada mais grave aconteceu graças à intervenção de pessoas que estavam a passar na rua naquele momento.
 

Na Galiza,

Luís Nueckel, Engenheiro de Telecomunicações

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.