Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Oito anos de pontificado do Papa Francisco melhoraram a relação entre a Igreja Católica e a comunidade LGBTI+?

 religião LGBTI.jpg

Eleito Sumo Pontífice a 13 de Março de 2013, Jorge Mario Bergoglio desde logo se destacou por uma visão revolucionária da doutrina católica e uma postura pouco tradicional como Bispo de Roma. Tem sido aclamado como o Papa mais progressista da actualidade, trazendo para muitos a esperança de uma renovação da Igreja Católica através de uma ideologia mais aberta e inclusiva. Será essa a opinião dos nossos leitores?

Para assinalar o 8º aniversário do pontificado do Papa Francisco, o dezanove.pt levou a cabo um inquérito para avaliar a influência do actual Pontífice na relação da Igreja Católica com a comunidade LGBTI+.

De um total de quase 1000 participantes, uma larga maioria (50 por cento) considera que os esforços do Santo Padre vieram melhorar as relações com a comunidade LBGTI+, tendo um dos leitores comentado:

"A relação da Igreja Católica com a comunidade LGBTI+ melhorou, pois o Papa e outros líderes já começaram a defender o amor, a protecção e a não violência contra as pessoas LGBTI+, referindo explicitamente a sigla ou os termos adequados, mas é urgente, sobretudo, pela intervenção do Espírito Santo, reinterpretar as escrituras e através de nova fundamentação anunciar as Boas Novas: deixar de considerar a prática LGBTI+ um pecado".

Para 20 por cento dos leitores do dezanove.pt esta relação está estagnada, tendo um dos inquiridos atribuído o facto à idade avançada de Francisco: "Desacelerou devido à idade e estado de saúde frágil."

Apenas nove por cento dos inquiridos avalia negativamente a prestação do Pontífice considerando que a relação piorou, enquanto 17 por cento não tem opinião formada sobre o assunto.

Entrevistado para o documentário Francesco (2020), o Papa Francisco tinha revoltado as facções mais conservadoras da igreja e dado enorme esperança aos católicos LGBTI+ ao defender as uniões de facto para casais de pessoas do mesmo sexo: “Os homossexuais têm o direito de ter uma família. Eles são filhos de Deus". Contudo, recentemente, o Papa voltou a fechar a porta da Santa Sé ao declarar ilícita a bênção da união de casais do mesmo sexo.

Este tem sido um caminho atribulado, feito de pequenos avanços e grandes recuos.

 

José Eduardo Rios

 

Lê também o artigo de Sofia Seno “Papa Francisco defende uniões de facto”  e o artigo de opinião de Carlos Reis “Hoje infelizmente o sucessor de Pedro manteve uma porta fechada” .

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.