Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Dezanove
A Saber

As notícias de Portugal e do Mundo

A Fazer

Boas ideias para dentro e fora de casa

A Cuidar

As melhores dicas para uma vida ‘cool’ e saudável

A Ver

As imagens e os vídeos do momento

Praia 19

Nem na mata se encontram histórias assim

Queer Lives Matter

banner opiniao_Markus Kowalski.png

Durante a pesquisa para um artigo sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo em Atenas, conheci o activista queer George Kounanis. O seu entusiasmo, calor e determinação impressionaram-me.

Ele tinha aproximadamente a minha idade e tinha feito campanhas pelo país a promover a igualdade de direitos. Foi intimidado por conservadores, por políticos de extrema-direita e por pessoas na rua, mas continuou o seu trabalho porque sabia que estava certo.

Achei que a sua história poderia ser semelhante à dos jovens de outros países e que o movimento LGBT global precisava de um filme para contar sua história. Até o momento, metade da população mundial vive em países onde a homossexualidade é criminalizada. Muitas pessoas desconhecem a dimensão do sofrimento e da opressão social e do Estado que muitas pessoas queer sofrem. Muitos deles tornaram-se activistas e lutam por direitos iguais.

Desde que escrevi um blogue sobre homofobia no meu país, que me senti ligado a outros activistas LGBT, porque percebi o quão semelhantes são nossas experiências. Eu sabia que tinha que contar as suas histórias. Fui inspirado por documentários como o “Project A” (2016), que mostrou projectos anarquistas criativos na Europa, ou a série de documentários “Out There” (2013), onde Stephen Fry se encontrou com os políticos mais homofóbicos do mundo para desafiá-los. Queria mostrar jovens activistas corajosos de países subrepresentados em termos de activismo LGBT. Durante a produção, percebi que todas as pessoas que conheci não eram apenas corajosas e determinadas, mas também vulneráveis e inseguras.

O título do filme “Queer Lives Matter” relembra que vários grupos da sociedade enfrentam discriminação. Nos últimos anos, os norte-americanos começaram a exigir o fim da violência e da discriminação contra os negros. Depois, Black Lives Matter tornou-se num movimento global contra o racismo. Da mesma forma, hoje o activismo LGBTQ é um movimento que exige aceitação, segurança e justiça para as pessoas queer em todo o mundo. Com o título do filme, quero enfatizar as semelhanças de ambos os grupos e suas lutas. Os movimentos políticos precisam de solidariedade e apoio mútuos para atingir seus objectivos. Portanto, quero dar ao público uma compreensão da luta LGBT dentro do meu filme. Além disso, espero que inspire as pessoas a se tornarem politicamente activas pelos seus direitos.

 

Artigo de Markus Kowalski, realizador do documentário “Queer Lives Matter - How LGBT-Activists Change The World”, que integra a sessão LGBTI do Festival Política em Lisboa (27 de Abril, às 22h, no cinema São Jorge). Às 21h30, na mesma sala, Aurora Pinho sobe ao palco  

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.